Hall de Entrada

Página 4 de 7 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Hall de Entrada

Mensagem por Secret em Seg 8 Jul - 18:15:38

Relembrando a primeira mensagem :

Hall de Entrada
Rodeado por vidraças, o hall é o ponto inicial do apartamento. Distribuído por mobílias refinadas e uma planta, dando o ar natural ao espaço. É uma espécie de anexo que liga as escadas à sala de jantar, varanda e piscina.


Thanks to +Lia atOps
Secret
avatar
Admin

Voltar ao Topo Ir em baixo


Re: Hall de Entrada

Mensagem por Ariella Morgana Hunterfox em Ter 23 Jul - 17:05:42


Guilty

Oh I'm a guilty one
And know what I have done
Yeah, I'm a troubled one
And I won't be forgiven♪


Quando Connor puxou-me para um beijo e eu permitir. Só por alguns minutos prometi a mim mesma. Beijar Connor deixava-me elétrica, agitada e ao mesmo tempo calma, era como caminhar por brasas e logo em seguida voar entre as nuvens. Era tão bom.

Talvez fosse um um erro, mas se fosse queria errar.

"Só por um momento, só por alguns segundos" Prometi a mim mesma.

De repente Connor encerrou o beijo em busca de ar e para ser sincera eu também precisava respirar.

-Bom, muito bom

Apenas acenei minha cabeça concordando com o mesmo. O que eu deveria dizer em seguida?Eu estava tão confusa sem entender o que exatamente estava acontecendo ali.

-O que foi isso?
Tags: #Festa #Connor :: Notas: Melhor não comentar:: Vestindo: This :: Ouvindo: Guilty♪
Template by Aiyra for MDD
Ariella Morgana Hunterfox
avatar
Universitários

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Hall de Entrada

Mensagem por Eckl Dohrn Morteri em Ter 23 Jul - 17:39:14



My party is rocking!!

Wow! Eu não acredito que uma cantada a la Edgar Morteri funcionaria com uma garota tão bonita. Ela tinha um odor tão inebriante que me fazia querer tê-la comigo mim para sempre. No entanto, ao mesmo tempo, era um cheiro que tentava despertar o homem mais selvagem adormecido em mim. Talvez nem fosse o perfume. Talvez eu só estivesse já bêba... Não. Bêbado ainda não. Não é qualquer quantidade de bebida que derruba um Dohrn Morteri em plena Manhattan. Danika nos ensinara bem. Talvez fosse a beleza estonteante dela que me fazia ter alucinações adoráveis e pecaminosas. Ou talvez eu devesse simplesmente pegá-la pela cintura e deixar com que nossos corpos conversassem à vontade.

Apontei para o meio da galera que dançava alegre no Hall de meu apartamento. Alguns já se mostravam dopadamente chapados, outras completamente alcoolizadas, presas fáceis para malandros com vontade de corpos para uma brincadeirinha casual. Eu, diferente deles, estava lúcido e me balançando animado, olho no olho, com aquela garota sorridente que se balançava agora bem perto de meu corpo. Aproximei-me sem minha típica timidez, que se fez disfarçar pela meia máscara de minha fantasia.

Antes, eu fora provocado por ela, agora era minha vez. Puxei-a para perto após um coreografado movimento com minha capa. Pus meu rosto junto ao dela num arroubo de sensualidade. Minhas mãos, agilmente, se colocaram em seus quadris e puseram o corpo dela mais perto do meu. Senti o perfume novamente e, como nenhuma expressão negativa surgiu dela, continuei a atacar. Uma de minhas mãos subiu por suas costas até sua nuca e acariciaram o local safadamente. Segurei-a firme e colei nossos corpos. Tocava Don’t you worry child, Swedish House Mafia nesse momento. No primeiro refrão melódico da música, aproximei meu rosto do dela, meus lábios dos dela e...

Uma garota vinda não se sabe de onde derramou alguma coisa nela, o que a assustou e acabou com clima que ali rolava. A santa atrapalhadora se debulhou em desculpas enquanto minha companhia apenas sorria. Nesse momento, para me livrar da frustração, varri o local com o olhar. Edgar parecia metido em uma sinuca de bico com duas garotas e um clima estranho. Danika estava enrolada no pescoço seu “namorado” mais-tonto-que-uma-anta-com-cérebro de amendoim. Muita gente dançava. Garotas do Eleanor conversavam empolgadas e garotos do Richard escolhiam suas presas.

Alguma coisa se passou por minha mente. Eu esquecera alguém. Ou fizera merda muito grande. Santo deus, eu detesto quando minha memória falha. Quem? Quem será que o tonto do Eckl deixara na mão?
MeNarrationOthers"Pensamentos"
Tagged: People in the party! • Clothes: Phantom of the Opera Costume

credits@Eck
Eckl Dohrn Morteri
avatar
Manhattan
You know, right?
Universitários

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Hall de Entrada

Mensagem por Rodrick Valdez Bellator em Ter 23 Jul - 17:49:24

Uma sugadora de sangue!!

Da festa Para o quarto!!




Andei um pouco pelo apartamento e vi umas caras conhecidas e outras não, notei que na festa tinham fantasias diversas, umas legais e outra ridículas, que por sinal não eram poucas, gentinha ridícula. Bebi mais um pouco e fiquei como um radar humano buscando, buscando e buscando.
-Cadê ela?Falo em um tom baixo para mim mesmo.
Até que escuto a única voz que eu queria escutar naquele momento, era ela, Niik, minha e só minha Niik. Sorri em direção a ela e notei sua belíssima fantasia de... o que? Não acredito, vampira?  Eu queria muito que essa vampirinha me mordesse, mordesse todo o meu corpo, sugasse meu sangue até o ultima gota e fique satisfeita ao provar de um sangue como o meu, saboroso, delicioso e único. Ando em direção a ela, enquanto a mesma coloca seus braços em volta de seu pescoço eu me contentava em abraçá-la pela cintura, e que cintura. Nós beijamos e adorei ter ganhado um beijo de uma vampira tão linda como aquela.
-Bom foi a melhor coisa que eu pude escolher, tirando essa eu queria vim pelado, quer dizer, ser uma tela de uma pintura corporal. Sorri para ela e deposito um selinho na mesma.
Ainda abraçado a mesma e escutando o comentário dela, falo:
-Bom, agora, agora eu não quero beber, mas tem uma coisa que eu queria muito.
Aproximo meus lábios perto da orelha dela e sussurro:
-Quero muita deixar essa festa chata e ir conhecer o seu quarto, e aposto que é lindo, como a dona dele. Sorriu e volto aminha posição de antes a encarando com um sorriso safadinho em meu rosto.

Se eu fosse escolher eu, com certeza, escolheria ficar num quarto só com a Niik do que continuar naquela festa, apesar de está boa. Ao mesmo tempo em que eu pensava em ficar sozinho com ela eu pensava em como ela estava linda, aquela fantasia vampiresca a deixou mais irresistível do que nunca, continuei abraço a ela notando cada detalhe do rosto da mesma, que por sinal, era belíssimo.


Thanks  Zafrina
Rodrick Valdez Bellator
avatar
Até aonde o dinheiro conseguir me levar...ou seja, em todo lugar.
Desculpe, mas não lhe dei tal intimidade. u.u
Universitários

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Hall de Entrada

Mensagem por Emily Von Helling em Ter 23 Jul - 18:46:43



I just want .. to be perfect!

É possível odiar mais ainda uma pessoa a cada segundo que passa? Se não fosse, eu estava fazendo o impossível virar possível naquele momento. Ele conseguia me tirar do sério e me irritar de uma maneira única. Cada precioso segundo que eu perdia na companhia de Edgar era uma lástima. Tomei outra dose da bebida e delicadamente coloquei a garrafa em sua posição inicial, depositando o copo ao seu lado.

Ele voltou a falar e não perdurei minha atenção em seus dizeres, ele tocou em um assunto delicado. — Eu não fugi de você, jamais faria isso, Morteri — Devolvi a ironia e tentei dar minha melhor desculpa esfarrapada. Se tinha aprendido algo com Edgar era isso, mentir descaradamente e não me importar com o resto. Revirei os olhos e ajeitei minha fantasia, aliando o momento propicio para procurar Eden pelo lugar.  

Fitei seus lindos olhos azuis e pensei enxergar o 'antigo Edgar' por um momento. Espera.. lindos olhos azuis? "Estou enlouquecendo de vez, ou talvez seja a vodka". Mas o novo Edgar logo apareceu e ri debochadamente ao ouvi-lo falar sobre seu poder de conquistar qualquer uma naquela cidade. Ás vezes não percebemos o quando as pessoas podem mudar e nem sempre para melhor.

Quando me ofereceu sua bebida, de imediato recusei. Senti meu sangue ferver de ódio, ele estava se divertindo às minhas custas. E tudo piorou ainda mais quando senti ele se aproximar de mim. Minha mão ardia pela imensa vontade de desferir-lhe um belo e doloroso tapa. Mas não faria isso, minha educação não permitiria, não agora.

Travei uma batalha mental sem saber como reagir àquela proximidade. Seus olhos estavam vidrados nos meus e minha inércia não me permitia executar qualquer ação, eu estava paralisada. Seu tom irônico me fez sentir ainda mais raiva e ódio de sua presença. "Preciso ir embora logo!". E como se minhas preces fossem ouvidas, alguém apareceu naquele exato momento.

Uma garota loira, vestida de 'onça' e mais alta que eu. "Viva ao salto alto!". Alguém aparecera para salvar o infeliz do pequeno 'carinho' que eu faria nele. Revirei os olhos diante da cena que presenciei, um selinho dos dois. Ela me cumprimentou tão apaticamente que não me dei ao luxo de responder ao seu cumprimento.

Edgar manteve-se calado e um silêncio, que somente era quebrado pela música e festejo dos demais convidados, pairou por alguns segundos diante da nossa "conversa". Ela esperava uma resposta de Edgar e me virei, servindo outra dose de vodka. Esperava que ele respondesse, seria bom saber o que ele pensava sobre nós. Nós? Algo que nunca existiu. Senti a bebida quente descer pela minha garganta e ouvi sua resposta. Um sorriso irônico se formou em meus lábios, mas eu nada disse.

Wearing: this;  With: Edgar, sua ironia e o projeto de "namorada"; Where: Party;

template made by neon suicide at @ops
Emily Von Helling
avatar
NYC
hello darkness
ESPS

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Hall de Entrada

Mensagem por Ruby V. Hastings em Ter 23 Jul - 19:07:14

Your mind is just like mine!
All filled up with things benign you're looking for the golden life Hollywood infected your brain you wanted kissing in the rain oh, oh I've been living in a movie scene puking American dreams oh, oh I'm obsessed with the mess that's America ---------------------------------------------------------------------------♥
All alone, rest your head, on my lap. When your down, all alone. Rest your head, on my lap, on my lap… — A música era alta nos meus fones de ouvido e a paz me cercava deitada em minha cama ouvindo a música mais relaxante do mundo pra mim; Mas o maldito despertador começou a tocar como uma gralha rouca sendo asfixiada, meio dia Ruby, hora de levantar. Eu já estava acordada há um bom tempo, mas aproveitei para ter um pouco de paz matinal e permaneci quieta com minha cabeça no travisseiro, tudo antes do aparelhinho que contava as horas começar a gritar. Ouvi a última frase da música do Foster The People que levava meu nome e tateei o meu Ipod por baixo do travesseiro, apertei o botão do stop e tirei minha máscara de dormir; Levantei com os olhos estreitos ainda tentando se acostumar com a claridade do quarto e me espreguicei erguendo meus braços sobre a cabeça. Dei um tapa no botão de desativar o despertador e por um instante pensei que o instrumentozinho satânico não cantaria nunca mais. Coloquei minhas pernas para fora da cama e com os pés busquei minhas pantufas de Panda calçando-as, me levantei e fui em direção ao banheiro para lavar o rosto; Naturalmente eu já sou uma tapada, com sono é pior ainda, esbarrei na minha cômoda e deixei alguns papéis caírem, me abaixei para recolhê-los quando vi o convite da festa dos Morteri, Oh claro! Era hoje! Hayley já devia estar começando á se arrumar e eu estava aqui! Arregalei meus olhos e fui de passos apressados para o meu closet, no fundo lá estava ela: A Fantasia de Flamenca que eu comprara, peguei o cabide onde estava pendurado o vestido e os sapatos vermelhos e joguei em cima da cama, prendi o cabelo num coque e corri para o banheiro. Abri o meu armário de cosméticos e recolhi todas as máscaras, sabonetes, cremes, hidratantes, óleos, shampoos, esfoliantes e perfumes e os amontoei nos meus braços, enchi a banheira e despejei o sal de banho, a espuma se formaria sozinha. Peguei meu sabonete de rosto, abri a torneira e mergulhei o rosto em minhas mãos. Tinha tanta coisa pra fazer e tão pouco tempo...

...

Finalmente tinha terminado minha pequena sessão-de-Spa-caseira, meu cheiro, minha pele e meus cabelos já estavam esplêndidos. Envolta no meu roupão comecei a maquiagem, nada demais, delineador cílios grossos e batom vermelho. Vesti o vestido da fantasia que era bem curto e decotado por sinal — Exatamente como eu gosto — E calcei os saltos vermelhos. Soltei os rolinhos do meu cabelo que agora estava perfeitamente ondulado, tirei a flor falsa da minha gaveta e prendi no cabelo, próxima á orelha, da mesma gaveta peguei o leque preto e o abri em um só movimento. Eu adorava leques, na época em que era costume usá-los cada gesto com um leque podia lhe poupar várias palavras; Esconder o rosto com o leque e deixar só os olhos á mostra, ah! Esse eu com certeza usaria esta noite. Me olhei no espelho e vi uma loira de cabelos longos e belas pernas á mostra com um decote incrível, pra qual os homens com certeza olhariam, isso se conseguissem parar de olhar para os meus olhos azuis muito bem contornados. Dei uma voltinha e desfilei para ver como eu estava eu precisava rebolar bastante enquanto caminhava li num livro uma vez que uma mulher fatal começa a conquista pelo andar, e que o rebolado felino chama mais atenção que as próprias pernas. Ah! Sim, quase me esqueci de um detalhe importante; Peguei cinta-liga preta e vermelha na gaveta e coloquei-a na coxa direita. Agora sim eu estava pronta, peguei minha bolsa-de-mão Prada em cima da cama e conferi o Blog da Secret. Apenas uma das notícias me chamou atenção, Barbara estava de volta. Ugh! Se ela estava de volta certamente estaria na festa, a patricinha tinha uma sisma comigo desde minha época de Eleanor. Eu havia esquecido toda a maldade que a pirralha um dia fez comigo mas ela parecia querer insistir em me botar pra baixo, ela já era cruel e hoje está pior ainda... Acho melhor não dar atenção, essa deveria ser uma noite de diversão. Guardei meu celular na Bolsa e abri a porta do quarto, passei pelo quarto de minha irmã gêmea e com as duas mãos comecei a batucar na porta “ HAAAAYLEEEEY, Vamos logo, já estamos atrasadas.” Eu caminhei e me sentei no sofá pra esperá-la, finalmente ela apareceu, linda como sempre e com a fantasia que nós combinamos, iríamos de fantasias com o mesmo tema, espanholas, porém diferentes. Adorávamos confundir as pessoas, era tão engraçado quando estávamos lado a lado e me chamavam de Hayley e chamavam-na de Ruby. “Até que enfim!” Exclamei levantando-me e puxando-a pelo braço Abri a porta e dei a chave para que minha irmã á trancasse enquanto eu apertava o botão do Elevador que demorou alguns poucos minutos para chegar, algumas pessoas fantasiadas estavam dentro do elevador dei um “Oi!” animado á todos. Quando chegamos no andar dos Morteri já podia-se ouvir a música do lado de fora do apartamento, o pessoal do elevador deixou a porta aberta para que nós entrássemos. A casa estava realmente cheia e muito bem decorada, corri os olhos pelos convidados e vi alguns conhecidos da Ford, e muitos, muitos garotos bonitos. Olhei para minha irmã gêmea perguntando “ Hay, acho que vou pegar um cosmopolitan, vamos comigo?” Soltei seu braço e caminhei entre as pessoas da festa em direção ao bar com a cabeça erguida e um encantador sorriso nos lábios. A festa prometia…


Com: Hayley Gêmula; Onde: Morteri's Party; Vestindo;Fantasia de Flamenca/Espanhola
Thanks Maay; from TPO


Ruby V. Hastings
avatar
Manhattan, Honey ;)
Rawr :3
Universitários

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Hall de Entrada

Mensagem por Scarlett Darkhölme em Ter 23 Jul - 19:14:28

Fantasy Night


 Uma festa a fantasia. Tenho que admitir que, mesmo que eu tenha me tornado uma pessoa totalmente diferente, não consegui deixar de lado a minha paixão por máscaras e fantasias. Porque era exatamente essa ideia de ser outra pessoa e de ninguém me conhecer, que eu tanto gostava. Sem contar que eu não havia deixado de ser um pouco “estranha”.

Contudo, não podia deixar de lado a minha vingança. Fui até Ashley pedir um de seus vestidos emprestados. Meu não podia ter ficado mais feliz, pois achava que finalmente estávamos nos entendendo. Já ela parecia desconfiada, nunca gostara exatamente de mim e eu fazia questão de retribuir três vezes pior. Assim, que minha madrasta me entregou o vestido que eu havia pedido, fui até meu quarto e comecei o trabalho.

Com uma tesoura bem afiada, tornei o vestido um pouco mais curto e o modifiquei às minhas medidas. Afinal, ela podia ser magra, mas seu corpo era diferente do meu. Dilui um pouco te tinta de tecido vermelha e depois espirrei um pouco no vestido, para parecer sangue. Já pronto o vestido, liguei para uma antiga amiga de minha mãe. Ela era figurinista da Broadway e tinha muitos contatos. Ela me conseguiu praticamente todo o resto. Na manhã da festa fui ao salão e dei todas as indicações de maquiagem, cabelo e unhas. Entretanto, tenho que admitir que minha parte favorita foi botar as lentes de contato. Eu estava até parecendo morta de verdade, mas nunca poderia estar tão viva.

Quando pus meus pés, devidamente calçados num salto que me deixavam relativamente mais alta, Ashley quase desmaiou. Ela ficou louca ao ver o que eu havia feito com seu belo vestidinho. Começou a ligar para meu pai que nem louca, correndo de um lado para o outro no apartamento. – Acho que você não deveria fazer isso. – Disse rindo e ela me olhou enfurecida. – Ele está numa reunião muuuuito importante. – Falei lentamente apreciando o gosto de irritá-la – Até algum outro dia... Bitch. – A última palavra soou como se estivesse cuspindo em sua cara. Então simplesmente dei as costas enquanto ela gritava e entrei no elevador.

O caminho até a festa foi calmo e rápido. Quando de por mim, o meu motorista já estava abrindo a porta do carro. Agradeci e lhe indiquei o horário que deveria me buscar. Enquanto andava para dentro do prédio dei uma última olhada no blog da The Secret. Soltei uma risadinha maligna, mostrei meu convite ao porteiro e adentrei no prédio. Assim que as postas do elevador abriram-se no andar a música explodiu para entro de meus ouvidos. A iluminação era perfeita e muitas pessoas já esbanjavam criatividade em suas fantasias.

A primeira coisa que fiz foi andar até o bar. Peguei um Martini e comecei a andar pela festa. Não entrei na multidão que dançava, mas caminhei pelos cantos observando a todos. Será que a Secret receberia uma mensagem minha esta noite?



TAGGED: NINGUÉM ✖️ NOTES: Dance Cool✖️
CLOTHERS: THIS ✖️ LYRICS: Selena Gomez & The Scene - Hit The Lights

I ♥️ Lollita

Scarlett Darkhölme
avatar

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Hall de Entrada

Mensagem por Barbara Murdoch Bertrand em Ter 23 Jul - 21:19:23

You know That I'm Fucking Cute
IN THE NIGHT YOUR HEART IS FULL, AND BY THE MORNING EMPTY. BUT BABY, I'M THE ONE WHO LEFT YOU, YOU'RE NOT THE ONE WHO LEFT ME ♥


O que aconteceu com ela, Chenault? O bichinho da simpatia a picou, tenho certeza.  - Minha irmã, sempre uma engraçadinha já estava conseguindo arrancar o espírito benigno que ocupava parcialmente o meu corpo. - Não, ela
parece estar normal.
- Aimée disse, já eu discordava. Eu não era do tipo simpática, pelo menos não com as minhas irmãs. Com elas eu não precisava fingir... - Hmm, eu não irei beber nada. Pelo menos por enquanto, pretendo me manter sóbria está noite - Ao menos uma irmã sensata e bem educada eu tinha. - Algum coquetel com pouco álcool, por favor. Pode escolher, confio em seu gosto. Te esperamos na pista de dança, certo? - Eu beberia um suco de maracujá, álcool engorda e eu estava de dieta como eu quase constantemente estava. Não é fácil manter um corpo de modelo, sabe? Então Aimée seria a única a beber, era uma bêbada mesmo... Elas me esperariam na pista de dança então daria tempo pra um último check  nas redes sociais, cheguei ao bar que não estava muito longe e estalei os dedos para chamar a atenção do barman - "Dear, um coquetel de frutas vermelhas com pouca vodka, e um suco de maracujá com adoçante please."  Dei as costas para o balcão e retirei meu Iphone da bolsa. Alguns likes no Instagram, fiz o check-in no Facebook, alguns retweets no Twitter... O.M.G. Me esqueci de olhar o blog da Secret, digitei rapidamente o endereço no navegador e enquanto o site carregava peguei as bebidas que o barman entregou, não agradeci, ah tanto faz! Vejamos... Princesa Skatista Oh que droga Aimée! Mas de novo! Ok ok, tenho que me lembrar do plano e da real intenção de Aimée, muito bem... Depois ela me esclareceria. ESPERA, Espalhando maldade no ar de manhattan? Contar novidades? Secret me dando boas vindas!? Oh dê um tempo verme virtual! Não aja como minha amiguinha. Você não está no meu nível! Bufei de raiva e apaguei a tela do meu celular, não iria mais ler aquilo. Coloquei-o novamente dentro da bolsa e peguei as bebidas, localizei minhas irmãs em meio á pista de dança e desfilei em direção á elas distribuindo alguns "Sai da frente, por favor" afinal de contas eu tinha de ser educada, esbarrei num ser com uma fantasia Flamenca que vinha em direção contrária ela soltou um "Olha por onde anda pirralha" oh, essa eu tive de olhar. Olhei-a de cima á baixo e claro; Só podia ser, Ruby Hastings a universitária mais vadia do Ford, ex-gorda e ex-nerd, que tadinha; achava que era alguma coisa... " Qual o problema querida ? A vigilância sanitária fechou seu bordel? Ou você não percebeu que essa é uma festa da alta sociedade? Se é que você me entende, SOCIEDADE não escória" sorri de canto sarcasticamente e dei as costas procurando minhas irmãs. Me aproximei de Aimée e entreguei seu copo. " Meu espírito de simpatia morreu, parece que o universo conspira contra meus bons dias " disse rolando os olhos. Dei um gole em meu suco e comecei á dançar; A música era bastante animada por sinal e eu movia meus quadris suavemente olhando os que estavam em volta. Observei uma Curiosa fantasia mascarada que parecia encarar minha irmã mais nova " Hey, Aiméenie Mouse, o justiceiro ali tá encarando " Alertei minha irmã. Dei de ombros e puxei Chenault girando-a em seu eixo pegando suas mãos e sacudindo-a fazendo com que dançasse comigo, sorri abertamente para minha irmã mais velha. Ah! Ela tinha que se divertir! E eu também.

Com: Amy and Chel ● Usando: Marilyn Costume ● Humor: Annoyed ● Note: "What's wrong, honey? Sanitary surveillance closed your whorehouse? Or don't you realize that this is a high society party? If you know what I mean, SOCIETY not slag"

▲▼
Barbara Murdoch Bertrand
avatar
NYC
Ugh! No.
Universitários

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Hall de Entrada

Mensagem por Aimée Murdoch Bertrand em Qua 24 Jul - 0:13:50

S.O.S, smile
You know that I'm a crazy bitch I do what I want when I feel like it, All I wanna do is lose control But you don't really give a shit, You go, if you go, if you go with it 'Cause you're fucking crazy Rock 'n' Roll. And that's why I smile It's been a while Since everyday and everything has felt this right And now you turn it all around

Chenault estava tão quieta nos últimos dias, mais do que o normal. Bom, a verdade era que sua quietude não era normal, não antes do ocorrido em Paris. Era estranho que, mesmo depois de todo esse tempo, não havia me acostumado ao seu comportamento assim. Ela ainda tentava se soltar em passos tímidos de dança, eu sabia que estava se esforçando, então também me esforçaria por ela, para tentar diverti-la ao máximo. As coisas não haviam sido fáceis para nenhuma de nós desde então, mas Chenault era a mais sentimental das três e foi a mais abalada, mesmo ainda tentando demonstrar que não. Eu sabia que dentro dela ainda havia uma fortaleza, ainda residia a irmã em quem eu me espelhava, em partes. Dançava com toda a habilidade que me fora concebida pelos deuses, movendo mãos e quadris ritmados, em torno do corpo de Chel. Estava me divertindo, sorriso era sempre encontrado em minha face enquanto dançava com ela. Passei meus olhos rapidamente pela extensão do local, observando as mais esquisitas fantasias. Aquele cara estava mesmo vestindo uma armadura? OMG, que fim teve a elite? Se é que ele era da elite. Revirei os olhos, evitando encarar demais alguém com tão mal gosto. Poderia ser contagioso. Apesar de não me ligar muito para padrões da sociedade, ao menos eu tinha algum senso social. Se bem que era uma festa à fantasia, todos deveriam se vestir como bem entendessem. Segurei uma das mãos de Chenault e a fiz girar, logo passando por baixo do braço dela e girando também. Soltei uma risada curta e baixa, continuando a dançar. Havia realmente muito tempo que eu não me entregava à dança em festas. Minha intenção era mais em beber, só que eu estava disposta a mudar minha postura desde então. Diversão era primordial, não esquecimento. Queria lembrar-me de cada pedacinho daquela festa e de todas as outras. Em mais uma vasculhada pelo local, encontrei Barbie indo de encontro com Hayley... Espera, não era a Hayley. Semicerrei os olhos e parei de dançar, apontando com a cabeça naquela direção para Chenault, tendo então a certeza de que era Ruby, a irmã gêmea de Hayley. Não tinha muito contato com ela, mas sabia muito bem diferencia-la de minha amiga universitária. – Olha lá, já tá criando confusão. – Falei baixinho para Chel, respirando fundo e prestando bastante atenção no fato à minha frente. Enquanto elas estivessem só nas palavras eu podia ficar sossegada, mas se eu visse que Barbie estava sendo ofendida, aí sim eu iria até lá. Fato: mexa com quem quiser em Manhattan, mas não com minhas irmãs, não queira me testar. Se bem que, Barbara sabia se defender bem e sozinha. Foi o que deu. Logo minha irmã aproximava-se de nós com a áurea alterada. O que ela disse em seguida apenas confirmou o que eu já sabia. Peguei o copo que ela me entregava, olhando de relance para Chel. – Adianta dizer que eu já esperava? – Sussurrei mais baixo que a música, na esperança que se alguém tivesse ouvido, que fosse Chenault. Levei o copo aos lábios, experimentando a bebida. O gosto doce sobressaía em muito a vodca em uma mistura cítrica de frutas vermelhas. Levantei o copo na altura dos olhos na direção de Barbara e sorri de canto. – Sabia que podia confiar em ti. – Agora não era apenas Chenault e eu dançando, Barbara juntou-se a nós, aproveitando para “sacudir” um pouco mais nossa irmã mais velha. Parecia que todos estavam na intenção de fazê-la se divertir além de qualquer outra coisa. – Hey, Aiméenie Mouse, o justiceiro ali tá encarando. – Abri um sorriso largo com o termo que Barbie usou para chamar minha atenção, ainda dançando de forma descontraída, mas logo franzi o cenho, olhando para o lado em que ela apontava, procurando a pessoa que ela dizia me encarar. Deparei-me então com uma máscara deveras conhecida por mim. Ai deuses, Fawkes era um de meus heróis gregos. Tá, ele não era grego, mas para mim era como se fosse um titã. Analisei a fantasia do rapaz – ao menos eu julgava que era um rapaz, pela altura e corpo, aliás, músculos avantajados – com o cenho franzido, curiosa a saber quem estava por trás da máscara do cara. Era tipo, a pessoa que eu apreciava a história! Era melhor que fosse alguém que pelo menos conhecesse Fawkes, ou arranjaria comigo uma boa briga. Virei de costas para ele e aproveitei do comprimento de meu – minúsculo – vestido para empinar o bumbum enquanto dançava, bebendo outro gole de meu drink. – Ele sabe escolher uma beleza para apreciar. – Sorri para elas daquele meu jeito ligeiramente irônico, colocando a mão desocupada sobre a cabeça e rebolando o quadril até quase encosta-lo em meus calcanhares, subindo em um só impulso e terminando de beber meu drink. Rolei meus orbes novamente pelo recinto, procurando alguma bandeja para deixar meu copo vazio, mas encontrei algo além disso e muito mais interessante. Próximo ao bar, nada mais e nem menos do que Emily e um dos gêmeos que, pela tensão da conversa, sabia ser Edgar. Conhecia bem Emily do AEI e gostava do jeito dela, era meio que parecido com o meu. Em um dia desses, conversa vai e vem, acabamos por tornarmo-nos colegas e em seguida amigas. Não do tipo inseparáveis, por que eu tinha a mania de não confiar em ninguém além de minhas irmãs para esse tipo de amizade, mas um nível abaixo do inseparável. Por ser bastante observadora e saber ler expressões corpóreas com certa facilidade, notei que ali havia uma tensão, que piorou com a chegada de uma garota loira que eu não me lembrava o nome e... Céus! Ela beijou o Edgar na frente da Emily! Dentre uma das conversas que tive com Emily, ela me contara seu namoro com o garoto e como passaram a se “odiar” após isso. O relacionamento deles era comparado ao de Tobias e eu, só que eu não era ex do Tobias e nem pretendia um dia ser, por que para isso antes eu teria que ser namorada. Não. Mesmo. Mordi o lábio e olhei para minhas irmãs dançando, passando por elas. – Missão SOS, volto já. – Caminhei em passos elegantes e rápidos, passando pelo mascarado e jogando os cabelos, sem deixar a tiara cair, de forma sedutora.

– Emily! Quanto tempo! – Ela estava linda de cisne-negro, personagem que Natalie Portman fez lindamente, esta que também atuou em V de Vingança cujo protagonista usava a máscara do meu Fawkes que o carinha encarado usava. Passei por Edgar e pela menina loira – que não me era estranha, mas eu não conseguia lembrar o nome – já passando os braços para abraçar o Cisne-negro e aproveitando disso para lhe sussurrar secretamente no ouvido. – Vem comigo, acho melhor. – Meu tom era sério, mas logo que me afastei, coloquei um sorriso no rosto, segurando-a pelos ombros e piscando. Girei em meus calcanhares e falseei um sorriso para o casal. – Espero que não se importem se eu roubar de vocês a companhia do mais belo cisne que um dia pôde existir. Afinal, animais tão belos não devem se misturar. Com licença. – Puxei a garota morena pela mão para a pista de dança, fingindo estar falando alguma coisa muito importante para ela enquanto nos afastávamos de Edgar e de sua companhia. Quando já estávamos ao lado de minhas irmãs novamente, longe das vistas dos outros, soltei a mão de Emily e comecei a dançar mecanicamente, apenas por distração. Arregalei os olhos para ela de forma sutil, demonstrando minha surpresa com a situação que acabara de presenciar. – Pelos deuses, Emy, o que foi aquilo? Juro que te vi a ponto de esbofetear Edgar, sem contar a outra menina que apareceu. Achei melhor te tirar de lá antes que fizesse algo que te levasse a se arrepender depois. Sustento minha pergunta: o que foi aquilo? – Segurei a mão dela e a girei, soltando-a em seguida e continuando a dançar. Apesar de ser do tipo que não se importa, eu estava surpresa com a áurea que rodeava Emily. Respirei fundo, olhando rapidamente para minhas irmãs e dei de ombros, um tanto séria. Voltei o olhar então para Emily e de relance vi o mascarado ainda encarando. Okay, não me sentiria desconfortável com aquilo.

notes: Seven Devil’s it’s enough.; tags: Barbie, Chel, Emy e Fawkes; vestindo: Minnie Costumes; Thanks Maay - TPO.
Aimée Murdoch Bertrand
avatar
ESPS

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Hall de Entrada

Mensagem por Dominique Von Moskovicht em Qua 24 Jul - 2:29:31


Alice

Welcome to my Wonderland





Cada palavra que saia da boca de Lucca era como uma estaca enfiada em minha garganta. Não sabia o que responder, pois só de olhá-lo ficava sem ar. Ele parecia o tipo de “galã de uma noite” que pappa sempre fez o favor de espantar. A diferença é que agora eu estava sozinha e tinha que aprender a fazer meus próprios julgamentos. Felizmente eu conhecia muito bem a expressão “nunca julgue um livro pela capa” e esperava conseguir lê-lo muito bem.

- Não sei se tem tequila aqui... – Disse tentando fixar meu olhar em algo simples, como sua testa ou orelha. Talvez me sentisse menos pressionada. – Eu não acho tão desagradável assim ir a uma festa sozinha. O problema mesmo é ter de ficar sozinha. – Dei de ombros. Apesar de já termos conversado, mesmo que pouco, na faculdade, não queria que fosse fácil para ele, se aproximar de mim. Entretanto, foi logo depois de aceitar a bebida que eu fiquei mais nervosa. Sem dúvidas ele tinha a intenção de soltar um peso de suas costas, mas não contava com o fato que eu viajava para Itália quase todo ano. Minha mãe era de lá, então sempre que íamos para lá aprendia um pouco mais da língua. Mesmo que meu conhecimento fosse escasso, eu ainda conseguira entender quase toda a sua frase.

Em seguida o sorriso dele sumiu e ele começou a servir a bebida para nós dois. Resolvi ficar calada sobre o comentário anterior dele. Tomei um único gole, razoavelmente grande, do meu whisky. Imaginei que isso diminuiria meu nervosismo. – Bem, vim para tentar me divertir... Imaginei que talvez encontrasse uma de minhas primas por aqui. – De certa forma estava mentindo, mas sabia que talvez elas viessem. Vasculhei o salão com meus olhos até que me deparei com Ariella. Porém, logo em seguida, um rapaz entrou na sua frente atrapalhando minha vista e eu voltei a olhar para Lucca.

- Bom... Ela é bastante... – Demorei um pouco para pensar no que eu poderia dizer. Certamente ele já havia notado que eu não estava ligeiramente desconfortável. – ... Explícito. – Mas que droga foi aquilo? A única palavra que conseguiu sair de minha boca sem dúvidas foi a mais idiota, porem direta. Rapidamente virei todo o resto do conteúdo de meu copo. Pus o objeto sobre o balcão e comecei a mexer com o laço de minha luva. – Mas espera um segundo... Se você não gosta de vir a festas sozinho, o que está fazendo aqui. – Estreitei ligeiramente os olhos ao lembrar que até agora estávamos apenas eu ele sozinhos.





Post: 003 ~ Clothes: THIS ~ Lyrics: A Little Party Never Killed Nobody ~ Notes: Lucca~
Thanks, Lollipop @ Sugaravatars

Dominique Von Moskovicht
avatar
Universitários

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Hall de Entrada

Mensagem por Rachel Horowitz-Berry em Qua 24 Jul - 7:04:34


Party, Is a Good Idea !?  ♥

With: NPC | Clothes: Roupa inspirada numa Fantasia de Bailarina. :3 | Feeling: Confused.

Aquela festa seria a mais comentada por várias semanas. Os garotos corriam para tentar pegar as garotas, As garotas se lançavam feito doidas nos braços deles e eu parada feito uma estatua. Alguém se esbarrou em mim e ao me virar percebi que fora alguém familiar.
Uma garota que conheci na Universidade, mais tímida que qualquer um que conheci. Ela abriu um sorriso aliviada ao me ver e se apresentou tentando refrescar minha memória. Depois de um tempo conversando ela me chamou para dançar e foi me puxando para o centro do Hall. Dançar seria um boa ideia, mas algo me fez mudar de ideia, quando olhei Eckl me lembrei que ele estava ali dançando com outra garota. Parei de andar e olhei apreensiva para a garota. " Não, não posso ... ", Estava ficando louca, a garota me esticava com mais força e eu resistia até que ela me deu um puxão, quase tombava com alguns do caminho, ela me levou até onde algumas pessoas estavam dançando, ela não estava tão tímida como de comum, talvez a bebida a despertou para a vida.
Ela começou a se movimentar com passos de dança seguindo o ritmo de Locked Out of heaven ''. Eu não poderia ficar ali parada, sorri super sem graça e comecei a dançar com a garota. Remexia meu quadril com a batida da musica, meus movimentos eram suaves e  bem discretos, ao contrário da garota que pulava que nem louca igualmente aos outros bêbados dali. Estava torcendo para ninguém me ver, especialmente uma pessoa. Imagina o clima que seria Eu, Ele e a outra garota. Balancei a cabeça tentando afastar aquele pensamento. Parecia que as pessoas que iam dançando pareciam andar pelo Hall, me perdi da garota quando me dei conta de seu sumiço e me deparei a alguns metros de Eckl e da garota morena. Deveria correr dali, foi logo o que pensei. Tentei me distanciar em meio a tantas pessoas empatando a passagem.



#Manhattan #Apartamento 3033 #Party #Alone ♥
I'm the one who want love you more ♥

flarnius
Rachel Horowitz-Berry
avatar
The city that never sleeps.
I don't know, you dare find out?
Universitários

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Hall de Entrada

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 4 de 7 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum