Quarto do Eckl

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Quarto do Eckl

Mensagem por Secret em Seg 22 Jul - 14:10:14

Relembrando a primeira mensagem :

Quarto do Eckl

Closet:
Banheiro:
 


Thanks to +Lia atOps
Secret
avatar
Admin

Voltar ao Topo Ir em baixo


Re: Quarto do Eckl

Mensagem por Rachel Horowitz-Berry em Sex 23 Maio - 1:40:30



Darling don't be afraid.
I'll love you for a thousand years

Sentir o toque dos lábios de Eckl era a melhor sensação que já tivera em tempos. Nunca sequer imaginei que um beijo poderia ter tanto efeito em mim. Era como se os relógios corressem para trás, como se tudo estivesse lento ao nosso redor. O cômodo já não era tão claro para mim, era como se estivesse em desfoque, num plano de fundo, tudo que eu conseguia enxergar era o rosto dele. O lindo rosto angelical dele.

Arquejei, voltando a abrir os olhos assim que o ósculo se findou. Suspirei ao sorrir novamente e senti o rosto ruborizar devido às palavras de Eckl. "Por que motivo uma bailarina tão incrível apareceu na vida de um garoto tão não merecedor?" Eu estava num enorme impasse. Se sorria admirada com o elogio ou se reclamava por ele mais uma vez se auto depreciar. Optei por sorrir, um genuíno e tímido sorriso característico de  Rachel Berry. —  Sabe, tudo na vida tem uma causa.  — Sussurrei alternando o olhar dos exuberantes orbes azuladas dele para os outros detalhes de sua face. — Talvez a bailarina ter sido posta na vida do fantasma da ópera é para mostra-lo que ele não é tão escuro quanto pensa. Ele é incrível, e belo. Muito belo.— Deslizei um dedo pelos cabelos escuros do rapaz e sorri admirada com o que via.

Meu celular tocou alto e eu quase cai da cama com o susto que levei. Rolei os olhos pela cama e me esgueirei para alcançar o telefone que vibrava no colchão. Encarei ao nome que piscava na tela e sorri de canto. "Stacey". Ela deveria estar louca, irritada, tendo ataques naquele exato momento. Eu e Wendy estávamos na casa dos Morteri e não havíamos dado qualquer explicação a garota. "Bela forma de receber uma prima, Berry." Ri comigo mesma e me virei na cama passando a encarar o teto. — Ei, você está melhor? Desmaiou e desde que chegou não comeu nada. Não está com fome, cansado ou sei lá, enjoado?  — Deitei de lado e encarei a Eckl que ainda estava sentado a beira da cama me observando. "Isso é bom, certo?" Sorri, impressionando-me com a facilidade que tinha de me senti insegura tão facilmente.



*
NOTES : With: Eckl Morteri ~ Wearning THIS ! ~ Falling in love.  

Rachel Horowitz-Berry
avatar
The city that never sleeps.
I don't know, you dare find out?
Universitários

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quarto do Eckl

Mensagem por Eckl Dohrn Morteri em Sab 24 Maio - 3:55:59

Era irrefragável que a sossegada sensação e a inegável aura amparadora não se faziam cabal para a garota a minha frente. Rachel era também indubitavelmente deslumbrante. Seus cabelos, alinhados e com singelos cachos nas pontas naquela noite, são donos de um aroma suave que me remete às tardes de minha infância na Alemanha, quando eu e Edgar brincávamos com blocos de montar defronte à lareira. Sua pele tem um tom caramelo e um brilho opaco hipnotizante. Suas curvas – ah, as curvas –, bem delineadas em um vestido simples que me pareceu bastante familiar, são capazes de desnortear o mais circunspecto dos seres humanos e de fazer a agulha de uma bússola girar enlouquecidamente. Seus lábios ágeis e carnudos desvairam a singeleza dos romances e austerizam o desatino da luxúria. Seus olhos são verdadeiros e pacientes, penetrantes. Seu sorriso tem o dom de purificar a mais sombria das almas, de acalentar o mais perturbado dos homens. E foi esse sorriso que me fez esboçar uma expressão de felicidade em semanas.

O fato de Rachel se preocupar com minhas angústias e lamúrias complementava e aumentava a vontade de mantê-la comigo. – Não. Eu não tenho fome. – Sem cogitar nem me importar com as consequências, levantei-me e tirei a camisa, atirando-a em um canto qualquer do quarto. – Você quer comer alguma coisa? – Perguntei. Todavia, ela parecia estagnada e não respondeu com palavras, apenas com um balançar de cabeça que eu interpretei como “sim”. Solicitei aos berros um lanchinho para dois aos empregados. Voltei e sentei mais perto dela. Fitei-a com um sorriso abobalhado e recebi um beijo no rosto. Tive certeza que corei. – Desculpa perguntar, mas o que somos agora? Digo, um para o outro? – Ela pareceu confusa. – Sabe, desde aquele incidente com a Samira na festa à fantasia. Ou nas trocas de olhares em todos os outros encontros furtivos. Sei lá, acho que você, com essa inocente carinha de “eu não bebo”, recusando bebida de fantasmas da ópera estranhos, me conquistou. – Ela sorriu descontraída. – Mas eu não tenho certeza disso. Talvez... sei lá... nós poderíamos tirar essa dúvida de uma vez por todas... – Ainda me fitando ela disse “Como?” – Talvez assim. – E me aproximei repentinamente colando meus lábios nos dela e a envolvendo em meus braços. Lentamente, deitamos. O beijo se fez tão envolvente que nossas atenções se voltaram apenas para o ato. Nem mesmo reparamos quando uma das empregadas trouxe uma grande bandeja com os lanches. Nossas mãos exploravam todas as partes acessíveis de nossos corpos. Quando paramos, não resisti à tentação de ficar encarando aquelas orbes tão sonhadoras.
what are we now?
Sometimes i wonder if i deserve, but there there's you.


Eckl Dohrn Morteri
avatar
Manhattan
You know, right?
Universitários

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quarto do Eckl

Mensagem por Rachel Horowitz-Berry em Sab 24 Maio - 6:58:19

Give a little time to me, we'll burn this out. We'll play hide and seek, to turn this around. All I want is the taste that your lips allow, oh give me love. Give me love like never before, 'cause lately I've been craving more.

Eu não me lembrava da última vez que me sentira tão viva. Se é que houvesse me sentido assim alguma vez. Ser observada por Eckl fazia meu coração saltar ligeiramente em meu peito, como se fosse atravessa-lo a qualquer instante. Eu certamente era suspeita em falar algo com relação ao garoto. Palavras de uma garota demasiadamente apaixonada não era de muita relevância. Garotas apaixonadas não agiam de maneira correta, não pensavam de maneira correta e mesmo tendo essa convicção em minha mente eu tendia a afirmar a mim mesma que Eckl Morteri era a perfeição transfigurada num exuberante e admirável rapaz. De um modo indireto, e bem singelo, o moreno apresentou a mim o significado do até então desconhecido sentimento, o mais intenso e grandioso que já sentira em toda a vida. O amor. Eu o amava, um amor puro e que parecia se expandir a níveis elevados a cada sorriso, toque ou eloquentes palavras que provinham do garoto.

Perdi a noção de qualquer mínima coisa que me rondava ao contemplar a Eckl caminhar a frente da cama, este havia se desfeito de sua camisa e mostrava sem qualquer hesitação seu corpo adornado em músculos salientes que me roubaram a atenção e de certo modo a congruência. Minhas orbes solviam avidamente a cada pedaço visível do belo porte físico de Eckl. Sua pele alva e tão macia me atraia como se houvesse uma linha magnética invisível fragmentada entre nossos corpos. Escutei a indagação de Eckl e pisquei os olhos tentado despertar do repentino estado de transe que me encontrava. Como resposta a sua pergunta apenas assenti positivamente e o mesmo instantaneamente brandou aos serventes postulando por aperitivos. Ele se sentou novamente, desta vez tão próximo que pude sentir sua respiração soprar minha face delicadamente. Encarei seu sorriso adorável e não resistir em beijar a face ruborizada do garoto. "Como pode ser tão... belo?" Busquei a resposta para minha própria pergunta mas não a obtive. Na verdade perto de Eckl meus pensamentos tornavam-se pouco fluente, só pensava nele e em como não agir estupidamente.

Novamente Eckl falou e desta vez suas palavras foram o suficiente para me deixar mais atilada e certo modo túrbida. "O que somos agora? Digo, um para o outro?" Tentei ignorar o pulsar forte do meu coração e concentrar-me no que o garoto dizia. Ele seguiu falando e o que disse com relação ao nosso primeiro encontro me arrancou um sorriso relaxada. "Nós poderíamos tirar essa dúvida de uma vez por todas..." Novamente meu coração retomou o célere palpitar e involuntariamente contestei as palavras de Eckl. — Como? — Interroguei instintivamente e logo fui surpreendida com um novo beijo provindo do rapaz. Senti os braços fortes do moreno me aparar ternamente e implorei silenciosamente que pudesse ter o prazer de sentir aquele abraço pelo resto de minha existência. Com um braço tomando minha cintura e o outro um pouco mais acima, Eckl me deitou na cama vagarosamente e sem interromper ao beijo extasiante que fizera meus pensamentos se desagregar de minha mente e tomar toda a minha atenção e devoção. Ousei acariciar ao peitoral desnudo do rapaz enquanto o envolvi pela nuca com o outro braço. A demasiada necessidade do ar me fez findar o deleito beijo e ainda assim não deixei que o garoto se afastasse de mim.

Encarei aos inebriantes olhos azulados do garoto e senti meus lábios se esticarem espontaneamente num sorriso apaixonado. — Bom, não sei o que somos, mas você passou a ser tudo para mim desde o dia em que encarei esses olhos azuis hipnóticos. Não quero apressar nada, deixe que tudo flua naturalmente. Não quero assusta-lo ou começar de maneira errada.  — Distribui alguns selinhos nos lábios finos e levemente rosado do garoto e de modo delicado friccionei a ponta do nariz com o dele. — Eu não tenho mais forças para ficar longe de ti. — Sussurrei deixando que meus lábios roçassem aos dele na medida em que movia a cabeça ou falava. Era quase irresistível o desejo de beija-lo, sentir o gosto delicioso de seus lábios e mergulhar mais uma vez no extasiante estado de frenesi que o beijo de Eckl me proporcionava.

Rachel Horowitz-Berry
avatar
The city that never sleeps.
I don't know, you dare find out?
Universitários

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quarto do Eckl

Mensagem por Eckl Dohrn Morteri em Sex 20 Jun - 6:22:07

Tudo. Eu estava calmo. Eu sentia amor. Talvez não em mim, mas para mim. Provavelmente, as ondas que arrepiavam levemente a cada segundo era o tal do amor. Ainda não era claro para minha instável mente o porquê de uma garota tão doce quanto Rachel me dedicar tal sentimento. Eu sou vazio, fútil, perturbado, instável, infeliz. Tudo que é necessário para fazer uma garota infeliz. Sim. Eckl Dohrn Morteri, o projeto perfeito de par nada ideal. Eu era uma casca, apenas. Um recipiente, apenas. Meu recheio era o mortal misto de indecência, infelicidade e remorso. Eu queria algo mais concreto que me preenchesse, por isso eu me entupia de uísque.

Geralmente eu sentia vontade de desaparecer. Não só do mundo, mas da história, das memórias das pessoas que me conheciam um pouco mais que superficialmente. Talvez, sem mim, o mundo fosse menos deprimente. Edgar e Danika teriam toda a atenção que queriam e seriam normais. Emily não teria nenhuma pedra Morteri em seu sapato de grife. E Rachel não teria entregado todo seu afeto a alguém tão medíocre. Contudo, naquele momento, ali com aquela garota me dando beijinhos de esquimó, eu só pensava em fazê-la feliz, em mantê-la comigo, sorrindo aquele sorriso tão lindo. Mas isso é impossível, não é? Eu falhara com Mandy, falhara com Emily e provavelmente falharia com Rachel. Quer ver a personificação do fracasso romântico? Dê uma boa olhada em mim.

– Bom, não sei o que somos, mas você passou a ser tudo para mim desde o dia em que encarei esses olhos azuis hipnóticos. – Rachel pronunciou cada uma dessas palavras ternamente. “Eu te odeio, imbecil” teria sido uma resposta bem melhor, pois assim ela estaria livre para depositar todo aquele apreço em alguém melhor. Por mais difícil que fosse, dirigi meu olhar para qualquer outro lugar que não fosse os olhos afetuosos dela. Sim, eu a queria ali comigo, mas não seria tão egoísta. Levantei e me direcionei até a janela.

– Desculpa, Rachel, mas... – Tentei não deixar evidente minha voz embargada, nem minhas lágrimas proeminentes. – Eu quero ficar sozinho. Por favor. – Ela pareceu não protestar, mas certamente estava, no mínimo, confusa. – Feche a porta quando sair. – O silêncio passou a reinar após o barulho forte da porta batendo. Me permiti chorar. Não por estar triste, pois isso eu estava há muito. Nem por ter sido um crápula, canalha, insensível e imbecil com Rachel, porque, no fundo, eu sentia que aquela tinha sido a melhor coisa a ser feita, pois se nos apegássemos mais, a dor seria maior quando ela descobrisse quem realmente é Eckl Morteri. Eu chorei por ser um total fracasso. Fracasso como homem, fracasso como ser humano. Um total fracasso.
blame it on me
Sorry, but this is the right thing to do.

Eckl Dohrn Morteri
avatar
Manhattan
You know, right?
Universitários

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quarto do Eckl

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum